Busca: OK
Acesso Rápido:

Quando procurar um médico?

Um dos segredos para ter uma vida longa e saudável é aprender a desvendar a linguagem do corpo.  Muitas vezes, quando está em desequilíbrio, ele mesmo se encarrega de dar o alerta. Por motivos que vão do cansaço às preocupações do dia-a-dia, é comum sentir uma indisposição eventual ou um mal-estar passageiro. Entretanto, quando alguns sintomas aparecem do nada e insistem em se repetir, o melhor a fazer é consultar um médico. Nem que seja só para tirar a dúvida. Devemos evitar a automedicação pois, caso contrário, podemos mascarar algo mais sério ou causar novos problemas.

 Essa avaliação deve ser feita no consultório do médico. Só ele pode analisar a necessidade de exames e prescrever remédios quando preciso.

 Cada organismo se comporta de uma forma diferente, mas existem alguns sinais que, quando aparecem, merecem uma investigação mais detalhada e imediata.

Alguns exemplos que servem de alerta:

Dor de cabeça súbita e intensa ou perda de sensibilidade ou movimento no corpo – deve ser investigada (principalmente se for relativamente recente). O medico deve ser procurado e caso necessário aprofundar mais a investigação com exames complementares.

Dor toráxica (especialmente se for paciente com hipertensão ou diabetes em quem apresenta fatores de risco para doenças cardiovasculares e ou se tem mais de 40 anos) – independentemente das circunstâncias em que ocorre (repouso ou esforço), deve sempre ser examinada com urgência por um médico.

Falta de ar – embora possa ser psicológica, a falta de ar é um sinal de alerta que não pode ser ignorado, pois está relacionada ao pulmão e ao coração. Vá com brevidade ao médico.

Perda de peso anormal e inesperada – requer a avaliação breve do médico. Apesar de muitas pessoas ficarem animadas (principalmente por questões estéticas), o emagrecimento súbito pode ser indicativo de uma série de doenças graves.

Desmaios – a perda de consciência devido à queda de pressão é comum, principalmente em mulheres, jovens e grávidas, especialmente em dias muito quentes. Porém, é preciso que um médico avalie as causas dos desmaios. Podem ser necessários exames complementares conforme avaliação medica.

Sangue na urina – quando o ato de urinar vem acompanhado de sangramento ou ardência, é preciso procurar um médico.

Febre alta – comum em crianças, a febre, quando ocorre em adultos, é motivo para procurar um médico. Ela pode estar relacionada a vários problemas.

Sonolência crônica – há uma série de doenças que podem atrapalhar, e muito, o sono noturno. Por isso, se está com dificuldade de ficar acordado durante o dia, é bom procurar o médico. Obesos e roncadores são especialmente vulneráveis a esse tipo de problema.

Alterações dos hábitos intestinais – muitas pessoas sofrem de constipação ou diarreias leves de vez em quando. Porém, quando essas alterações viram regra ou passam a ser sentidas também por aqueles que sempre tiveram o intestino normal, é imprescindível buscar ajuda médica. Mudanças de cor (fezes mais escuras ou mais claras) também merecem investigação.

Então surge outra questão:  Qual médico procurar?

Sem saber ao certo do que trata cada especialidade, surgem  dúvidas  na hora de escolher um profissional. O ideal é primeiro consultar um clínico geral.

Em alguns casos parece simples: ao ter uma alergia na pele o paciente procura um dermatologista, quando os filhos estão doentes os leva ao pediatra ou se quer fazer uma dieta busca um nutricionista. No entanto, a escolha do médico nem sempre é assim tão fácil. Muitas vezes os sintomas não são claros e surge a dúvida sobre qual especialista procurar. No Brasil, são reconhecidas em torno de  53 especialidades médicas. Além de não saber ao certo o que significa cada um dos nomes complicados como angiologista, nefrologista ou proctologista, muitas vezes o paciente fica em dúvida sobre a que se dedica cada especialista. Quando o sintoma é uma dor de cabeça, por exemplo, as causas podem ser as mais diversas. Mas e aí, quem procurar? Um neurologista? Mas a causa pode ser um problema de visão, então não seria um oftalmologista? Mas e se for relacionada à tensão pré-menstrual, o melhor não seria consultar um ginecologista?

Sem saber ao certo a quem recorrer, muitas vezes as pessoas acabam  fazendo justamente o que não deveriam:  consultam  o Dr. Google. E aí, a confusão pode ser ainda maior. A dor de cabeça que poderia ser apenas tensional (a causa mais comum) se transforma, no imaginário da pessoa, em um tumor no cérebro.

Ao invés de se desesperar sem motivo ou perder tempo e dinheiro procurando de um consultório para outro sem descobrir a origem do problema, o ideal seria sempre consultar primeiramente um clínico geral. “O clínico está capacitado para levantar algumas hipóteses de diagnóstico, tratar ou encaminhar para o especialista caso necessário” afirma o presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica e professor da Universidade Federal de São Paulo, Antônio Carlos Lopes. Segundo ele, cerca de 70% a 80% das queixas podem ser resolvidas pelo clínico. “Todo paciente deveria ter um médico de referência, que o acompanha ao longo da vida e conhece seu histórico de saúde, isso ajuda muito na hora de fazer o diagnóstico”, afirma.

Então não devemos deixar para cuidar da nossa saúde apenas nas campanhas publicitárias como:  SETEMBRO AMARELO, OUTUBRO ROSA E NOVEMBRO AZUL, elas são importantes e nos servem de alerta. Não podemos esquecer que nossa saúde é também o nosso maior bem.

                                                              FONTE: Instituto de medicina avançada

Elaborado por enfermeira Carla Haesbaert

Revisado por Dr. Christian Drebes